segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

"Dá-me Mar o meu Rio."
Obrigada, isto é bom.

http://www.youtube.com/watch?v=UovOzFiZE7Q

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Outono, que é bom!

Há coisas que nos fazem ir dormir melhor.
Daquelas que fazem doer se não as saborearmos... Ao domingo à noite. E não ao domingo à noite, também.
Tempo de mais.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

http://www.youtube.com/watch?v=d06Z5lhjlAU

Há coisas que descobrimos que são grandes, e nos enchem.
Uma Banda sonora destes meus tempos. Roger Hodgson (Supertramp)!



sábado, 11 de junho de 2011

Santarém.

Vou contar o sabor dos últimos dias.

Encontrei aquilo que não procurei. Parte-se, chega-se, e deixa-se que as pessoas e a cultura se entranhem e fiquem nossas, que fiquem os nossos achados.

Cria-se um modo de vida, uma rotina harmoniosa.

E custa a partir.

E que lágrimas que correram, ao olhar... Já ao longe.

Olhar a Dona Arminda, a Ana e o Sr. Zé. A minha Casa. A casa onde gerações se cruzam e se segue um modo de vida. Onde salta a piolha e onde, todas as vezes, bate à porta a outra piolha, uma Marisa. E é ali que ficamos.


Ali, ou no continente à segunda-feira (por ser segunda feira).

Ou em cima dos Sorraias... Aqui onde o olhar brilha mais, aqui onde há Passo, Trote e Galope, e sempre de fora um Pedro e um Zé, os aficionados. Pedro, o rapaz das injeções de tauromaquia. Os amigos.







Olhar a minha escola. Os cavalos as vacas e as ovelhas, as AGMAs com as suas máquinas agrícolas e os cálculos para as regular, as Fisiologias e os Solos que por aí me ensinam este mundo. Os arraiais e o hino. Olhar a Escola Agrária de Santarém.

E a Feira... Os animais, a tasca, os cavalos, os toiros e os campinos.


Olho ao longe, por ser tempo de partir.

Uma partida envolvida numa despedida cheia de sentido: Feira da Agricultura.

Dia 8 - O Jantar de curso.

As pessoas scalabitanas, à minha volta, na tasca charrueca.

"Bamboleo bambolea, porque mi vida yo la quiero vivir asi!"


Dia 9 - As minhas pessoas vieram a esta minha cidade.

O dia da chegada de comboio, da Joe. Do nervosismo por um céuteimar em não parar de pingar, mas que por fim nos trouxe uma noite de estrelas.

O dia da chegada do resto da malta, e do jantar apic-nicado nas traseiras do meu prédio, seguido da ida para o CNEMA com a bela da taparuere com o bolo, e o favaios em copos que seriam algures formas para queques.

Adormecer a olhar um simples quadro de fotos.

O dia em que o que nós fazemos, é produzir animais.

Uma família nesta Santarém. O DIA DOS DIAS.


Dia 10 - A cura da bela.

A feira visitada como deve ser, com a Joe e os pais, um pranto cómico.

Um reencontro de um amigo num lugar especial, ao som de algo especial.

E a bela da garraiada e do pézinho de dança.

A despedida da feira e de Santarém, num abraço. À Joe.

A derradeira partida.


Scalabis

terça-feira, 26 de abril de 2011

"Viagens"... sem principio nem fim.


Primeiro estranha-se e depois entranha-se.

Com um toque de ajuda externa.





Deixar-me passear por terras e recordações.
Estou longe...


Solinho na segunda, espetaclar pra ganhar uma corzinha!
Viagem ao som de dois "The Wall"s e meio.




quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Galochadas II

Sugiro "Galochadas II, e outros que tais."

Arraial da Agrária.
Soube bem cá dentro. Estar e sentir-me em família. Olá aqui e acolá, fino aqui e acolá.
Os arraias trazem os veteranos que deixámos de ver. Trazem bailarico. Trazem tempo para estar com a malta das praxes, e outros que tais. Trazem toda a gente! Trazem alento a este começar de semestre. Trazem um hino cantado por charruas abraçados.

...Trazem um acordar com dor de cabeça.
Mas toca a levantar, que hoje é Fisiologia!

Primeiro tirar de sangue às ovelhas!
Demasiado bom. Traz certezas.


Aula da tarde, sumário: Distribuidores de estrume
Teórica: merda. Prática: ver o trabalho do distribuidor americano de: merda. Depois, contas sobre merda, apresentar o resultado em toneladas por hectare!
Tarde de... merda.
Gostei da tarde!


Semana a terminar.
Casa.
Festa na aldeia.
Go go go.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Aproveitámos.


Momento bom... Mas que deixa roçar o pensamento no recomeçar que aí vem.


Tempos bons na nossa casa, e na nossa estrada.
Tempos feitos de bicicletas, trilhos, bucha nas fontes. De festival de filmes, jantaradas e reuniões. De votar, e comer umas pevides e tremoços no crepe. De dia da defesa nacional.
E ovelhas.
E casa.


Aqui posso fazer um curativo 10 vezes mais do que a minha humilde ferida necessita... Só porque sim. Fantuchada natural.


Aqui faz-se mérculas ao lume enquanto se joga uma sueca ou se vê a bezerrita.


Levo-nos.

Puto Zezito.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Içar da Bandeira

Oh... Que monga... Que deslumbrada.


Gostava de fazer tantas coisas... De SER tantas coisas...

Bailarina...

Uma Militar. (Dia da Defesa Nacional: check - hoje, todo um contágio)

Ora uma engenheira da Produção Animal (boa :))

Tocar Violoncelo

Andar de cavalo.

E de fazer uns arraiolos!


Hum... Afinal não são assim tantas!



Escolhemos...
Quando? Quantas?
Escolhemos?

Encontramos...

"Encontra aquilo que te torna única."


«Regime de Voluntariado (RV):

O serviço efectivo em regime de voluntariado corresponde à prestação de serviço militar voluntário por um período de 12 meses. Constitui a expressão do direito de defesa da Pátria e assenta na adesão voluntária a um vínculo às Forças Armadas com vista à satisfação das suas necessidades.»

domingo, 9 de janeiro de 2011

ESTA É A VOZ ... Somos Família

video


Tempo de estar em casa...E que casa!
Uma aldeia que já é um pouco nossa, literalmente... Uma morada da família: Vale Torto.
Foi sólido, ideal.

Foi um Vale Torto com travozinho a médias, neve, passeios, gomos de laranja, clorineto, brindes e discursos...
E o Peru, que ganhou o premio do Campofrio. (Dropbox em altas!!!)



Família que é fonte de vida.




É uma maneira de digerir, fazer estas compilações para lembracing...
Talvez fora de horas... Que até foi dereto para a missa.
Mas sabe bem... Faz-me sentir viva.
É quando tem de ser.
Sei que me testas-te *


"I've had the time of my life "